28 de setembro de 2011


Queria dizer-te tanta coisa que nunca ias perceber... Por isso guardo para mim.

Não sei amar como tu. Dessa forma serena, própria da idade, de quem acredita que o mundo nos guia sempre para melhor. Nem tenho a certeza se ainda sei amar. Se é alguma vez soube...

Acho que só sei amar à minha maneira. E não sei se é a melhor. É louca, descompassada, sem destino, de tudo ou nada, sem cinzentos, só feita de vermelho paixão. Aquela forma de amar que consome, que obriga a dar este mundo, o outro e o próximo. Desta forma que faz tudo o resto parecer insignificante. Desta forma que dói mais que muito quando este amor nos é negado. Quando não pode ser compartilhado, dividido, compartido...

Tornaste-me a pessoa fria que sou hoje e que já não sei deixar de ser.
Obrigada



Maio 2009,
resgatado dos rascunhos

10 comentários:

Lady Me disse...

Gostei muito, Mimi. Engraçado que ainda agora estava a dizer a alguém que não tenho a certeza se sei amar. "Se é que alguma vez soube...
Acho que só sei amar à minha maneira. E não sei se é a melhor." Quase exactamente assim.

Acho que sabes, só que ainda não apareceu que te consegue "aquecer" :)

mary disse...

Se fores como eu Mimi, e somos parecidas pelo que te leio, ambas sabemos realmente o que isto quer dizer. É uma contradição nata, ser-se absurdamente apaixonada e não saber sentir de outra forma e ser-se uma pessoa fria ao mesmo tempo. Não existe. O que existe são pessoas que dao tudo o que são quando gostam, mas quando ficam sem chao têm que procurar uma defesa para se levantar e voltar a enfrentar o mundo. É aqui que agimos como pessoas frias, mas no fundo sabemos quem chora a noite: o coração. E atenção que disse "agimos" e não tornamo-nos. Porque se nos tivéssemos tornado, não haveria maneira de voltar a sentir borboletas no estomago. E eu nao consigo sequer imaginar a tristeza de uma vida assim. Tenho pena das pessoas frias. As que são de feitio mesmo, não as que a têm como pequeno defeito de quando em vez...

mari disse...

às vezes as coisas ganham novos sentidos com o tempo ...
**

Palavra Já Perdida disse...

Aprendi que às vezes mais vale ser fria do que termos um coração mole!
Aprendo isso todos os dias.. e será mau?
Beijinho :) *

'Mimi disse...

Mary agora com distância da altura em que este post foi escrito vejo que sim. Que não damos uma volta de 180º. Simplesmente levantamos barreiras para que não nos voltem a tirar o chão ;)

L'Enfant Terrible disse...

No que toca a sentimentos eles não mudam, não acabam, não diminuem, a forma como os encaramos, essa sim, muda.

I. disse...

Cada um ama á sua maneira, eu acho que há mil e uma maneiras de amar... E ser fria? é mais fácil... Ajuda-nos a sentir que estamos protegidas e que o bicho do amor não nos vai magoar..*

Green disse...

Por vezes são mesmo esse tipo de circunstancias da vida que nos tornam naquilo que seremos no futuro.

Bid disse...

Não acredito muito que uma pessoa que escreva assim um texto se torne fria para sempre. No máximo, fez-te hibernar!
Há quem queira paz, há quem queira guerra.. eu acredito que quem mais ganha são os segundos, os que vivem tudo intensamente como tão bem mostraste com as tuas palavras. A serenidade espera-se encontrar ao pé dos amigos e familiares, mas de resto, no amor, trabalho e nos outros aspectos da vida, quer-se é luta, fascínio, paixão! Só assim marcamos e somos marcados! Só assim nos sentimos vivos!

Esperemos então que estejas errada pois a tua forma de amar é a certa!

Shiver disse...

Uma pessoa fria nem sequer estaria aqui a escrever sobre isso....