2 de novembro de 2011


Apetece-me ser eu.
Apetece-me desatar a escrever nas paredes do meu quarto e relembrar o que é importante. Tenho saudades do que sou e do que não tenho sido. Tenho saudades da raiz, do início, dos que sempre estiveram e não estão mais, dos que partiram sem escolha ou aviso, dos que estão e mudaram e dos que estão e são a base. 
Preciso da paixão que me reinventa, em que reinvento e me escrevo de novo. Sem pontos, sem vírgulas, sem parágrafos e sem quebras. Só paixão. Simples, intensa, vivida, fogosa. um escape ao comedido e ao banal. Sinto falta do não socialmente aceite e dos tempos em que o simples acordar já era um desafio. Em que olhar-te nos olhos era suficiente para saber que se caísse me levantaria como se nada tivesse acontecido. Em que uma recaída não era um problema mas uma fase, mais uma entre tantos revés. A ti, obrigada, sempre.
Já a ti não te guardo rancor, simplesmente odeio ter perdido uma parte importante de mim por ti. Talvez não por ti mas contigo. Com essa tua forma quadrada de ver a vida e de seguir padrões e moldes que a sociedade criou como sendo os habituais. Lamento mas nunca fui de casar, ter filhos e viver o conto de fadas. Preciso de mais, muito mais e isso não me chega. Nunca chegou. E sair foi a melhor escolha, a mais acertada, a menos ponderada, a que parecia errada na altura mas que só pode ser a correcta. E estou grata por isso.
Preciso de um novo prisma, de um novo ponto de partida, de uma nova rota e de um novo destino. Porque isto não me chega. E quem está mal muda-se. 


21 comentários:

C. disse...

Como compreendo!

Blair Randall disse...

mais uma para te compreender :)


xoxo***

Wild Things disse...

As pessoas cingem-se demasiado aos moldes da sociedade e não vêm que deviam ir mais além. Compreendo-te perfeitamente mimi *

Secret disse...

Muda de vida se tu não viveres satisfeito
Muda de vida, estás sempre a tempo de mudar
Muda de vida, não deves viver contrafeito
Muda de vida se há vida em ti a latejar
Olha que a vida não, não é nem deve ser
Como um castigo que tu terás que viver

Go ´Mimi*

A Minha Essência disse...

Inteligente remate! :)

Nokas disse...

Então muda!! Muda o que te faz mal!!

Green disse...

É bom quando queremos mais e mais, isso exige mais de nós e de quem nos rodeia e é um desafio constante.

c disse...

gostei tanto, acho que em certa altura da vida é isso que procuramos :) gostei mesmo

▼ Danii disse...

Gostei muito Mimi :)

...Ju... disse...

ai Mimi... até me doeu a barriga ao ler-te!
traduziste muito bem as coisas em palavras!

Palavra Já Perdida disse...

As mudanças são boas.. fazem-nos sempre bem. E como te entendo..

***

Pretty in Pink disse...

Que visão tão sensata! Força :)

Beijinho*

Shiver disse...

Wow,grande texto Mimi.

Porque será que os posts pessoais são sempre os mais interessantes?

Vejo que estás no caminho certo e isso é muito bom :)

Venham mais destes ;)

Beijos

I. disse...

Como te entendo...*

mari disse...

que essa mudança te faça bem ;)**

'Mimi disse...

Shiver estes são os que me dão gozo escrever :) São os que escrevo corridos e me limito a pôr parágrafos no fim

mary disse...

escreves muito, muito bem e adoro ler-te estas coisas!

Shiver disse...

Entao Mimi,troco dez sobre vernizes por um ou dois desses :P**

Paulo Nunes disse...

Quem está mal.. muda-se! mas estar sempre mal também não é bom sinal! :)

'Mimi disse...

Shiver também troco :) Sem problema nenhum. É preciso é inspiração :)

Heriwen disse...

Ainda esta semana concluí, sobre esta incómoda sensação de vazio, que o que a gente precisa mesmo é de se apaixonar. Com todo o fogo e emoção que isso implica ;)